Na página 92, primeiro parágrafo, o autor menciona a questão de não haver uma "história verdadeira" quando falamos de pesquisa. Como você interpreta isso? Que implicação tem em uma pesquisa qualitativa?